Operação Mosteiros a Norte


Designação do Projeto | Mosteiros a Norte 
Código do Projeto | NORTE-04-2114-FEDER-000026
Objetivo Principal | A conservação, proteção, promoção e o desenvolvimento do património natural e cultural
Região de Intervenção | Norte 
Entidade Beneficiária | Direção Regional de Cultura do Norte 

Data de Aprovação | 26.08.2016
Data de Início | 12.11.2016
Data de Conclusão |
Custo Total Elegível | 1 551 054,93 €
Apoio Financeiro da União Europeia | 1 318 396,69 €
Apoio Financeiro Público Nacional/Regional | 232 658,24 €

Objetivos, atividades e resultados esperados/atingidos 

Os MOSTEIROS A NORTE- Arouca, Grijó, Rendufe, Tibães, Pombeiro e Vilar de Frades- incluídos na candidatura constituem um importante legado da arquitetura religiosa monástica a norte de Portugal. Estão classificados como Monumentos Nacionais ou Imóveis de Interesse Público, sendo por isso prioritária a sua preservação, valorização e divulgação. Simultâneamente assumem pela sua dimensão e valor patrimonial, uma forte presença no território, e constituem pólos dinamizadores de atratividade na paisagem rural e urbana onde se inserem, pela proximidade com os respetivos centros urbanos de Arouca,Vila Nova de Gaia, Amares, Braga, Felgueiras e Barcelos. Maioritariamente são mosteiros beneditinos, com a exceção do Mosteiro de Grijó, Arouca e Vilar de Frades, que obedeciam respetivamente à regra de Stº. Agostinho, de S. João Evangelista e de Cister. 

Pretende-se com a implementação da rede de MOSTEIROS A NORTE dar continuidade às intervenções de consolidação do edificado, melhorando e criando espaços de receção/acolhimento, articulando com o reforço de iniciativas culturais e artísticas (criação da composição/paisagem monástica e ciclo de interpretação itinerante nos mosteiros) e de divulgação dos espaços monásticos como pólos de atração no território e consequente aumento do número de visitantes e criação de novos públicos. É objetivo desta operação privilegiar a fruição e usufruto do património cultural como uma rede temática de grande valor patrimonial resultante do aprofundamento da interpretação dos percursos de visita, através dos registos fotográficos e em vídeo das intervenções realizadas, da criação de suportes multimédia e produção de desdobráveis como elementos fundamentais para acompanharem os visitantes deste itinerário cultural.