Notícias
21 Abr. 2017 Conferência sobre a freguesia de Pedroso O Arqueólogo António Lima, da Direção Regional de Cultura do Norte, é o orador convidado da conferência «Pedroso: um castro, um mosteiro, uma freguesia». Evento
O Arqueólogo António Lima, da Direção Regional de Cultura do Norte, é o orador convidado da conferência "Pedroso: um castro, um mosteiro, uma freguesia” a decorrer no próximo dia 25 de abril, pelas 16 horas, no Auditório da Junta de Freguesia de Pedroso. 

A iniciativa integra-se no programa comemorativo do 25 de abril, promovido pela União das Freguesias Pedroso e Seixezelo, em Vila Nova de Gaia. 


Sobre a Freguesia
Pedroso, com 19,65 km² de área, era a freguesia com maior extensão do concelho de Vila Nova de Gaia e, segundo dados de 2011, contava com cerca de 18 714 habitantes.
Trata-se, segundo os vestígios arqueológicos, de um dos territórios mais antigos do concelho: a Mamoa da Raposa, descoberta em 1984, data do período Neo-Calcolítico e o Castro Petrosus, no Monte Murado, datado do ano 7 d.C., começou a ser habitado na Idade do Ferro, tendo o seu povoamento se prolongado, pelo menos, até ao período romano. Este era um povoado habitado pelos Túrdulos Velhos e é exatamente em Castro Petrosus que tem origem o atual nome da freguesia. Foi neste mesmo monte que, em 1982, foram encontradas 2 placas de bronze (Tesserae Hospitales), datadas dos anos 7 e 9 d.C., tendo sido consideradas os achados arqueológicos mais importantes da década na Península Ibérica. As inscrições nelas contidas permitiram perceber a existência de pactos de hospitalidade entre Turduli Veteres, da tribo Galeria, e vários indivíduos indígenas dos Turduli Veteres.
Desta forma, pode afirmar-se que Pedroso faz parte do principal roteiro arqueológico do país, constituindo as referidas placas uma prova inequívoca da sua identidade histórica, que remonta a muito antes da nacionalidade portuguesa.
Outra prova da antiguidade de Pedroso é a carta de foral que recebeu no dia 3 de agosto de 1128 por D. Afonso Henriques, primeiro rei de Portugal.
O ex-libris da freguesia é, sem dúvida, o Mosteiro de Pedroso. Este mosteiro pertenceu à Ordem de São Bento, pensando-se ter sido doado por D. Gondezinho e fundado em 867. No entanto, não há absoluta certeza quando à sua fundação. No séc. XIII, acolheu no seu seio, como abade comendatário, Frei Pedro Julião, que, mais tarde, viria a ser nomeado Papa João XXI.