Notícias
19 Mai. 2017 Intervenção de restauro da «Ara de Trajano» Intervenção de limpeza e preservação da «Ara de Trajano» foi acompanhada pelo Museu D. Diogo de Sousa, em Braga.
O Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa, através do seu Laboratório de Conservação e Restauro, procedeu ao acompanhamento da intervenção de limpeza e preservação da "Ara de Trajano”, que a Junta de Freguesia de Caldelas (Caldas das Taipas, Guimarães) levou a efeito durante o mês de abril.

Os trabalhos, realizados pelo Atelier Samthiago Conservação E Restauro, consistiram na limpeza, desinfestação, preenchimento de fissuras, consolidação e proteção.

Esta monumental Inscrição comemorativa erigida sob o imperador Trajano, entre 102 e 105 depois de Cristo, encontra-se "in situ” junto ao traçado da via romana que ligava Bracara Augusta (Braga) a Emerita Augusta (Mérida), por Tongobriga (Freixo, Marco de Canaveses) e está classificada como Monumento Nacional desde 1910.



Sobre o Monumento

Inserido num terreno localizado perto do adro da igreja paroquial de Caldelas, este monumento de carácter devocional constituí um dos poucos exemplares conhecidos no Noroeste peninsular com inscrições honoríficas dedicadas ao imperador romano Trajano (98-117 d. C.), cujo conteúdo apresenta informações preciosas para um melhor entendimento da ampliação do culto imperial observado no actual território português ao longo do séc. II d. C. 

Composta de um penedo granítico, foram afeiçoadas três faces planas na sua superfície, cada uma com cerca de três metros de altura. A lápide apresenta diversas inscrições, a mais antiga das quais revela um louvor ao imperador Trajano datável de 104 d. C. Já nos inícios do século XIX, a edilidade vimarenense mandou aperfeiçoar as letras da inscrição primitiva, ao mesmo tempo que inscrever uma tradução por baixo do texto original latino.