Notícias
10 Out. 2018 Número de visitantes sempre a aumentar Cerca de 1,2 Milhões de pessoas visitaram Museus e Monumentos sob tutela da Direção Regional de Cultura do Norte. Evento
O número de visitantes nos museus e monumentos sob alçada da Direção Regional de Cultura do Norte (DRCN) registou, até final do 3º trimestre de 2018, uma subida de 6,8% em relação ao período homólogo, totalizando cerca de 1 Milhão e 200 mil entradas. 

O número de visitantes tem registado um aumento sucessivo ao longo dos últimos anos, acompanhando o movimento global que se verifica ao nível da procura turística na Região Norte. 

A par desta tendência, a Direção Regional de Cultura do Norte tem vindo a aumentar o seu esforço de comunicação e marketing, bem como tem realizado várias ações de promoção/fruição cultural, de que são exemplo as múltiplas iniciativas de carácter imaterial promovidas no âmbito das Operações cofinanciadas pelo Programa Operacional Norte 2020.

O Paço dos Duques de Bragança, em Guimarães, continua a ser o espaço museológico que mais visitantes atrai, registando, nos primeiros nove meses deste ano, um total de 334.535 entradas, o que se traduz numa subida de 9,5% por comparação com o mesmo período de 2017.

Quanto ao monumento mais visitado, o Castelo de Guimarães continua a liderar a tabela, com um total de 273.589 entradas até ao final do 3º trimestre de 2018, mais 5,8% do que no ano anterior.

Este ano, o conjunto museológico composto pelo Museu de Lamego, Museu dos Biscainhos e Museu D. Diogo de Sousa (Braga), Paço dos Duques e Museu de Alberto Sampaio (Guimarães), Museu da Terra de Miranda (Miranda do Douro) e Museu do Abade de Baçal (Bragança), já registou mais de 540 mil entradas até final de setembro.

A Direção Regional de Cultura do Norte desenvolve a sua atividade num território geográfico com caraterísticas únicas e onde, por exemplo, existem quatro locais classificados como Património Mundial pela UNESCO: o Centro Histórico do Porto, o Centro Histórico de Guimarães, o Alto Douro Vinhateiro e o Sítio de Arte Rupestre Pré-Histórica do Vale do Côa.

Tem sob a sua alçada os seguintes museus: Museu do Abade Baçal (Bragança), Museu de Alberto Sampaio (Guimarães), Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa (Braga), Museu dos Biscainhos (Braga), Museu de Lamego, Museu da Terra de Miranda (Miranda do Douro) e Paço dos Duques de Bragança (Guimarães); e um vasto conjunto de monumentos, composto por castelos, mosteiros, igrejas e sítios arqueológicos.