Igreja do antigo Mosteiro de Santa Clara
  • Igreja do antigo Mosteiro de Santa Clara
  • Igreja do antigo Mosteiro de Santa Clara
Localização 41.144167 | -8.615833
Largo Dom Afonso Sanches 4480-000 Vila do Conde
Informação Útil
HorárioTerça a Sábado: 10:00 às 12:00/14:30 e as 17:00
Domingo: 10:00 às 12:00/15:30 às 18:30.
PreçoVisita Livre
Contactos
+351 226 197 080
dsbc.drcn@culturanorte.pt
A igreja do mosteiro franciscano de Santa Clara de Vila do Conde encontra-se classificada como Monumento Nacional  e dispõe de uma Zona Especial de Proteção podendo incluir-se na categoria dos monumentos pátreos. A legibilidade do complexo monástico do qual fazia parte a Igreja de Santa Clara foi grandemente comprometida pela intervenção de «reintegração» levada a cabo pela DGEMN nos anos 30 do século XX. O repositório documental desta intervenção encontra-se atualmente disponível em www.monumentos.pt., existindo  ainda um património documental fundamental para o conhecimento da história do monumento e da gestão do sítio constituído pelo Inventário dos fundos – processos documentais e catálogo iconográfico (imagens e peças desenhadas) resultante das atribuições cometidas à Direção Regional do Porto do ex-Instituto Português do Património Arquitetónico (IPPAR), ora prosseguidas pela Direção Regional de Cultura do Norte. Propriedade do Estado em afetação permanente ao culto, regime resultante da Concordata entre a Santa Sé e a República Portuguesa em 2004, a Igreja de Santa Clara de Vila do Conde foi reaberta ao culto e à cultura no dia 1 de Novembro de 2008, após um período de dois anos em que as suas portas permaneceram encerradas.
Ler Mais
Mandado edificar em 1318 por D. Afonso Sanches (filho bastardo de D. Dinis) e sua mulher, D. Teresa de Menezes, o Convento de Santa Clara é um templo fundamental do Gótico português a Norte do Douro, não obstante as numerosas alterações a que foi sujeito ao longo dos séculos. O conjunto monumental domina o centro histórico da vila - edificando-se no local onde se pensa ter existido o castelo dos Condes de Cantanhede, senhores do burgo, com a igreja a ser secundarizada pelo majestoso corpo sul neoclássico, construído em 1777 pelo arquiteto Henrique Ventura Lobo, um dos mais importantes nomes do chamado ciclo neoclássico portuense. Logo em 1319 os fundadores doaram o espaço às clarissas, tendo sido este braço feminino dos franciscanos o responsável pela construção do complexo, um processo que conferiu à igreja a configuração que ainda mantém e que significou um exemplo pioneiro de implantação mendicante na região, a par das conturbadas histórias de S. Francisco do Porto e de S. Domingos de Guimarães. A austeridade e monumentalidade exteriores lembram, em parte, os primeiros exemplos de arquitetura mendicante clarissa do país, especialmente a fachada ocidental, onde o único elemento é a rosácea radiante, inscrita num enorme muro compacto, delimitado por dois contrafortes. A organização interna, no entanto, difere substancialmente. Enquanto que, por exemplo, no Convento de Santa Clara de Santarém a construção clarissa marca o triunfo do discurso mendicante numa cidade fortemente urbanizada, explicando-se por isso o longuíssimo corpo de três naves, a de Vila do Conde apresenta somente uma nave, de tal forma pequena que a construção do coro ocidental (verificada na época moderna) provoca uma sensação de planta em cruz grega interna. A cabeceira e a sua implantação num terreno irregular é outro aspeto interessante da igreja. Exteriormente, apresenta-se como uma fortaleza, com as janelas muito altas e a estrutura coroada por ameias, sugestão reforçada pela existência de poderosos contrafortes, que ajudam a vencer o desnível do terreno. Interiormente, porém, a rigidez formal é assumida de forma proporcional, com os absidíolos bastante mais baixos que a capela-mor. A marcha das obras góticas do Convento revelou-se bastante demorada, não estando o conjunto terminado em 1354, altura em que D. Afonso Sanches pede ao seu filho, por testamento, que as conclua. Deste último período é o que resta da Sala do Capítulo, organizada de forma tripartida, como era usual, com porta axial ladeada por duas janelas (aqui tratadas de forma idêntica, com finos colunelos e pequenos capitéis vegetalistas que provam a sua tardia cronologia) e alçado coroado de ameias. Muitas foram as alterações que se efetuaram no conjunto ao longo dos séculos seguintes. A mais importante verificou-se nos primeiros anos do século XVI, sob o impulso das abadesas D. Isabel de Castro e D. Catarina de Lima. A elas se deve a construção da capela dos fundadores, aberta por arco apontado de moldura inferior cairelada, e coberta por abóbada polinervada estrelada. No seu interior, as abadessas mandaram colocar os túmulos dos fundadores, refeitos para o efeito, de acordo com a estética do tempo manuelino. Dotados de jacentes ainda plenamente medievais, com D. Afonso a segurar a espada e com um leão aos pés e D. Teresa vestindo o hábito de clarissa, são das mais impressionantes obras de tumulária manuelina, saídas da oficina de Diogo Pires-o-Moço. Outros enterramentos existem neste convento, que evidenciam a deliberada procura de alguns poderosos nomes da sociedade baixo-medieval por instituições mendicantes. De c. 1415 é o túmulo de D. Brites, decorado com motivos heráldicos, e da década de 40 de Quatrocentos é o moimento duplo dos Condes de Cantanhede, D. Fernando de Meneses e sua mulher, D. Brites de Andrade, obra claramente filiada no modelo inaugurado por D. João I e D. Filipa de Lencastre na Batalha.
IPPAR / IGESPAR

Fechar Fechar