Sé do Porto
  • Sé do Porto
  • Sé do Porto
  • Sé do Porto
  • Sé do Porto
  • Sé do Porto
  • Sé do Porto
  • Sé do Porto
  • Sé do Porto
  • Sé do Porto
  • Sé do Porto
  • Sé do Porto
Localização N 41° 8’ 33.58” | W 8° 36’ 40.93”
Terreiro da Sé 4050-573 Porto
Informação Útil
PreçoIngresso individual: 3€.
Grupos com mais de 10 pessoas, cartão de estudante e porto card: 2€;
Crianças até 10 anos: gratuito.


Para marcação de visitas: catedraldoporto@gmail.com
Contactos
+351 226 197 080 | +351 222 059 028
geral@culturanorte.pt
A Sé do Porto conserva ainda vestígios do primitivo edifício românico construído entre a 1ª metade do século XII e início do séc. XIII. Destaca-se o aspecto de igreja-fortaleza com fachada flanqueada por duas torres e a bela rosácea sobre a fachada principal. Sofreu modificações nos períodos maneirista e barroco. O claustro gótico é da época de D. João I, rei que celebrou esponsais nesta catedral.
Ler Mais
As origens da Sé do Porto recuam à Alta Idade Média, provavelmente aos tempos suevos, de que subsistem indícios dando conta da existência de um bispo do Porto. Mais tarde, com a presúria de Vímara Peres, em 868, a antiga catedral teria sido reedificada, conjuntamente com outras igrejas da região, época de que restam testemunhos arqueológicos muito fragmentados.
Em 1110, foi nomeado bispo do Porto D. Hugo, homem oriundo de Compostela e que impulsionou a construção de uma catedral românica. O projecto previa um corpo amplo de três naves, transepto, cabeceira tripartida e um deambulatório de capelas radiantes, à maneira das catedrais de peregrinação do Ocidente europeu. Por razões ainda desconhecidas, o estaleiro abrandou o ritmo de laboração pelos meados do século e só foi reanimado pelo bispo D. Fernando Martins (1176-1185), que recrutou mão-de-obra em Coimbra, onde se incluía o arquitecto Soeiro Anes. Terá sido ele a concluir a catedral, em particular o seu portal românico (de que restam alguns vestígios), embora as obras tenham entrado pelo século XIII, como se comprova pela rosácea já gótica da frontaria.
Nos anos do Gótico, a Sé foi ampliada com alguns espaços hoje emblemáticos e que provam a vitalidade do burgo portuense, das suas classes dirigentes e membros mais destacados da sociedade. O claustro data de finais do século XIV, mandado erguer pelo bispo D. João, homem fiel à nova dinastia de Avis. O produto final, de clara qualidade plástica fruto do tempo em que foi levantado, segue a tipologia comum dos claustros góticos portugueses, com vãos geminados sobrepujados por um óculo e ladeados por contrafortes, como encontramos nas Sés de Lisboa e de Évora ou no Mosteiro de Alcobaça. O segundo andar do claustro foi objecto de um revestimento azulejar no século XVIII, da responsabilidade de António Vital Rifarto, que concebeu um programa típico do ciclo dos Grandes Mestres, com cenas alusivas ao Cântico dos Cânticos e dos Salmos. Igualmente gótica é a capela funerária privada de João Gordo - que aqui se sepultou num túmulo com jacente -, espaço que constitui o "equivalente ideológico" à Capela de Bartolomeu Joanes na Sé de Lisboa.
A actual capela-mor data dos inícios do século XVII, por iniciativa do bispo D. Gonçalo de Morais, e é um espaço com cobertura em abóbada de berço com caixotões, e onde o mármore aparece como material decorativo mais nobre. No século XVIII, o cabido encomendou o retábulo-mor (1727-1729) a Santos Pacheco, que concebeu, então, uma obra inovadora, recorrendo à capacidade do entalhador lisboeta Miguel Francisco da Silva. O espaço das naves mantém ainda a sua fisionomia original românica, com apontamentos artísticos de épocas mais recentes, como no caso da pia baptismal, renascentista, ou os dois púlpitos de mármore do século XVII.
A majestosa fachada principal, que mantém ainda as torres românicas e o óculo original no corpo central, foi remodelada em 1772, numa campanha rococó que substituiu o primitivo portal românico e conferiu ao alçado poente o aspecto cenográfico que hoje possui, com o portal ladeado por duas colunas geminadas que suportam um frontão que termina em nicho, onde se conserva a imagem da padroeira da Sé do Porto, Nossa Senhora da Assunção.
A Sé do Porto tem sido objecto de intervenções continuadas desde 1993, de que se destacam a reabilitação das coberturas, o restauro da pintura mural da sacristia gótica e a inauguração do núcleo museológico do "Tesouro da Sé". Do programa de trabalhos actualmente em curso e/ou a desenvolver no futuro imediato, fazem parte estudos histórico-arqueológicos integrados do monumento, a continuação dos restauros do retábulo de Nossa Senhora da Piedade, retábulos do claustro gótico e frescos do quarto janelão da cabeceira. De âmbito estrutural são as obras de reabilitação das torres sineiras, coberturas da ala sul/poente, coberturas da Capela do Santíssimo e da sacristia paroquial, bem como a conservação dos rebocos interiores.
Adaptado de: IPPAR / IGESPAR

Fechar Fechar